KI Hato’o Diskulpa ba Mídia Privada Relasiona Resposta PM

0
283
Prezidente Konsellu Imprensa, Virgilio Guterres. Foto mídia KI

DILI, (TATOLI) – Prezidente Konsellu Imprensa (KI), Virgilio da Silva Guterres hato’o diskulpa ba mídia privada sira tantu imprime no elektrónika bazeia ba resposta hosi Primeiru Ministru (PM), Rui Maria de Araújo hateten lei la fó dalan ba jornalista sira atu tuir votasaun ambulante.

“Konsellu Imprensa hakarak aproveita oportunidade ne’e atu husu diskulpa ba responsavél redasionál hosi mídia privada nian kona-ba resposta governante nian ne’ebé la fó esesaun ba jornalista sira atu votu ambulante maibé seguransa no funsionáriu públiku ho ajente administrasaun públiku ne’ebé hala’o servisu kobertura mak bele tuir votu ambulante ne’e”, hateten Prezidente KI, Virgilio da Silva Guterres ba ajénsia TATOLI, ohin iha Mascarinhas.

Apenas os jornalistas que sejam também funcionarios ou agentes da administração publica, que exerçam funcões eventualmente na RTTL, se consideram excecionados ao abrigo do n.o 5 do artigo 37.o da lei eleitoral.

Nia esplika, argumentu hosi karta ne’e, permite Polísia Nasionál Timor-Leste (PNTL), FALINTIL-Forsa Defeza Timor-Leste (F-FDTL), Funsionáriu Públiku ho Ajente Administrasaun Públiku ne’ebé hala’o servisu iha ámbitu prosesu eleisaun mak bele hola parte iha vota ambulante.

Nos termos do artigo 41.0 da lei eleitoral para o parlamento nacional, aprovado pela lei no 6/2006. De 28 de desembro, altera pela Lei n.o 9/2017, de 5 de maio, o leitor vota no centro de votação do suco indicado no cartão eleitoral.

Por sua vez, nos termos do n.o 5 do artigo 37.o da mesma lei, prevê-se que só os membro das forças armada, de segurança, os fiscais das candidaturas, os funcionarios e agente da administração publica que prestem service no dia das eleições, possam exercer o seu direito de voto no centro votação mais próximo do local onde prestem service. Tal prerogative é igualmente aplicavel aos recursos no âmbito da observação eleitoral.

Konsellu Imprensa apresia resposta hosi xefe governu nian mezmu la tuir espetativa órgaun mediadór no mídia privada sira nian.

Para além destas situação, o no.o 3 do artigo 4.o da mesma lei permite que haja votação ambulante nos casos de os eleitores se encontrarem internados no hospital ou em esabeleciemtno prisional.

“Xefe Governu, Rui Maria de Araújo nia karta ami simu ohin dader no Konsellu Imprensa sei komunika ba maluk sira hosi mídia tomak kona-ba desizaun ne’e”, haktuir  nia.

Konsellu Imprensa sente triste tanba labele priénse ezijénsia ne’ebé órgaun komunikasaun sosiál halo, enkuantu dezde eleisaun prezidensiál, KI promete atu halo esforsu oinsá bele garante asuntu ne’e maibé hahú juñu halo komunikasaun ho Ministériu Estatál ho komunikasaun formál no informál ho tan Sekretáriu Estadu Komunikasaun Sosiál no dirijente STAE nian, finalmente rezultadu mak nune’e.

Tuir nia, loloos ne’e Estatal no SEKOMS propoen ba governu liuhosi Konsellu Ministru hamosu baze legál ruma hodi garante profesionál mídia bele halo votasaun.

Konsellu Imprensa aproveita husu ba responsavél xefe redasaun atu reajusta sira nia planu kobertura atu jornalista sira labele sakrifika direitu votu iha eleisaun parlamentár 22 jullu 2017.

Face ao enquadramento legal existente, o decreto do governo n.o 21/2017, de 17 de Maio, que regula a organização e o funcionamento dos centros de votação, apenas deverá e poderá regular as execeções que estão prevista na lei eleitoral, uma vez que se trata de um diploma que regularmente e executa o que está previsto na lei, entendendo-se que a inculusão dos jornalistas ou de quaisquer outros professionais, em sede de decreto do governo, incumpre a lei eleitoral.

Jornalista: Zezito Silva

Editora: Rita Almeida

HUSIK IDA HATÁN